terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

SOSSEGAI!


Mary Ann Baker, a autora deste lindo hino nasceu em 16 de setembro de 1831. A tuberculose ceifou a vida dos seus pais e deixou-a órfã em tenra idade. Moravam em Chicago com a irmã e o irmão. Esse, um moço de excepcionais qualidades de caráter, começou a sofrer efeitos desta terrível doença. Das suas escassas economias, as duas irmãs conseguiram recursos para que ele viajasse à Flórida, na esperança de que no clima mais ameno começasse a melhoria. Não lhes foi possível acompanha lo. Tudo em vão. Em poucas semanas o mal se agravou e o rapaz faleceu, longe do aconchego da família. Não havia dinheiro para as irmãs irem ao seu enterro, nem para transportar o seu corpo para Chicago. Mary escreveu sobre esta experiência assoladora:

"Embora nosso choro não fosse 'como outros que não têm esperança' e embora tivesse crido em Cristo desde menina e desejasse sempre viver uma vida consagrada e obediente, tornei me terrivelmente rebelde a esse desígnio da divina providência. Disse no meu coração que Deus não amava a mim, nem aos meus. Mas a própria voz do meu Mestre veio aclamar a tempestade no meu coração rebelde e me trouxe a calma de uma fé mais profunda e uma confiança mais perfeita."

Foi logo depois desta maçante experiência que o Dr. Horatio Palmer solicitou a Mary Ann o preparo de um grupo de hinos sobre os assuntos das lições da Escola Bíblica da sua igreja Batista. "Um dos temas era Cristo Acalmando a Tempestade. Esta lição expressou tão vividamente a minha experiência, que este hino foi o resultado"

Nas palavras da inigualável hinóloga Henriqueta "Rosinha" Braga, a experiência de Mary Ann não apenas permitiu lhe narrar com felicidade a passagem bíblica; mais do que isto, capacitou a à expressar a profunda fé na atuação do Mestre, quando estamos prestes a submergir nas dificuldades, tristezas e impasses em que a vida nos enreda.

Imediatamente, o próprio Dr. Palmer escreveu a música para o hino, que tem beneficiado a muitos com a sua mensagem de fé. Publicou-o na sua coletânea Songs of Love for the Bible School (Cânticos de Amor para a Escola Bíblica), em 1874.

Depois disto, Mary Ann se empenhou de corpo e alma à União de Mulheres Cristãs Pela Temperança. Neste ministério teve oportunidade de observar, bem de perto, o sofrimento de irmãs, esposas e mães de alcoólatras cujas vidas naufragaram pelo degradante vício de beber. Depois de chorar com muitas destas mulheres ao lado da sepultura destes seus entes queridos, ela testificou: "Tenho chegado a sentir gratidão pelas doces memórias do meu irmão. O caminho de Deus é o melhor".

Ao saber que seu hino também estava sendo uma grande benção em outros países. Mary Ann Baker disse: "Me surpreende muito que este humilde hino tenha atravessado os mares e sido cantado em terras bem distantes para a honra do nome do meu Salvador".

Este hino logo foi incluído em outras coletâneas, Nos Estados Unidos, tornou se tão amado que, em 1881, quando o Presidente Garfield foi baleado, ficou ente a vida e a morte, e finalmente morreu, este hino foi usado repetidamente em cultos em sua homenagem. Foi neste ano que a autora também faleceu.

Sankey incluiu este hino em Sacred Songs and Solos (Cânticos e Solos Sacros-1881), que o difundiu ao redor do mundo. Provavelmente foi deste hinário que o saudoso missionário William Edwin Entzminger o traduziu para o português em 1903 e o incluiu no Cantor Cristão. Esta bela tradução, muito fiel à letra original, fez com que o hino se tornasse um dos favoritos dos evangélicos brasileiros, também incluído em outros hinários, como nosso Hinário Evangélico.



SOSSEGAI!

1. Ó Mestre, o mar se revolta,

As ondas nos dão pavor!

O céu se reveste de trevas,

Não temos um salvador!

Não se Te dá que morramos?

Podes assim dormir?

Se a cada momento nos vemos

Já prestes a submergir!


CORO:

"À minha palavra obedecerão:

Sossegai!

O vento em fúria, o rijo mar,

Ou a ira dos homens, o gênio do mal,

Jamais poderão a nau tragar,

Que leva o Dono da terra e Céus!

Pois todos tem de obedecer:

Sossegai! Sossegai!

Por que haveríeis vós de temer?

Sossegai!"


2. Mestre, mui grande tristeza

Me quer hoje consumir;

A dor que perturba minh'alma, ?

Vem Mestre, me acudir!

De ondas do mal tão medonhas

Como me livrarei?

Só tu podes salvar me, ó Mestre

Vem, pois, meu Senhor, meu Rei!


3. Mestre, chegou a bonança,

Em paz eis o céu e o mar!

O meu coração goza calma

Que não poderá findar.

Detém te comigo, ó Mestre,

Excelso dom do Céu,

E assim chegarei bem seguro

Ao porto, destino meu!




video

6 comentários:

Fátima Valente disse...

O meu coração se alegra porque cada hino conta uma história de fé, e apesar das lutas vemos um Deus que nos surpreende a cada instante. Que possamos permanecer firmes, sabendo que Aquele que começou a boa obra há de terminá-la. Deus os abençoe!

Ministro Luciano disse...

Muito bom o post. Obrigado por compartilhar este relato. Hoje escrevi uma reflexão em que utilizo parte do hino e procurei para saber o autor do hino, assim encontrei este post.
Fiz referência a este artigo em minha publicação http://emresgatedafe.com.br/dormindo-na-tempestade
Que Deus te abençoe

mauro disse...

Muito lindo. Toda vez que ouço, me emociono, pois o hino relaciona aquela tempestade do mar quando Jesus e os apóstolos estavam, com os problemas que muitas vees nos confrontamos na vida. Uma curiosidade: Porque que aqui no coro tem a expressão: REVOLTO MAR, enquanto que se ve em outros videos e até no hinario a expressão ENCAPELADO MAR ? Será que houve uma revisão na letra, visto que algumas palavras portuguesas vão ficando com o tempo arcaicas ?

mauro disse...

Muito lindo. Toda vez que ouço, me emociono, pois o hino relaciona aquela tempestade do mar quando Jesus e os apóstolos estavam, com os problemas que muitas vees nos confrontamos na vida. Uma curiosidade: Porque que aqui no coro tem a expressão: REVOLTO MAR, enquanto que se ve em outros videos e até no hinario a expressão ENCAPELADO MAR ? Será que houve uma revisão na letra, visto que algumas palavras portuguesas vão ficando com o tempo arcaicas ?

Anônimo disse...

Minha mãe Elisabeth Sena,hoje dia 07, fazem 7 meses de seu falecimento,louvava esse hino em seus cultos domésticos (sozinha) nas suas angustias que foram muitas,no decorrer de sua vida. Eu vinha pedido a Deus que me fizer-se, sonhar com ela, que ela se comunicar-se comigo,liguei o radio,e tocou essa música,confesso que nem me toquei que hoje era dia 07/09, depois vir as " coencidencia" da data, e de ouvir um hino tão antigo também na radio.
Débora Habigail, fanpage- programe eventos

Inajá Martins de Almeida disse...

Muito lindo o texto. Foi gratificante este momento. Estava fazendo um texto sobre o mar revolto em nossas vidas. A letra me era muito significativa para o momento, a rica história de Ann Baker. Tudo me fora pano de fundo para minhas linhas. Obrigada. Visite-me. Há parte de você nas entrelinhas. Obrigada. Inajá Martins de Almeida http://momentodeler.blogspot.com.br/