quinta-feira, 29 de abril de 2010

BONDOSO AMIGO





“Orai sem cessar” (II Ts 5.17)




Joseph Scriven, viveu a vida cristã de serviço para os seus companheiros, foi carregado em Ballymoney Lodge, Banbridge e baptizado em 10 º . de setembro de 1819. Sua entrada é registrado no Baptismal Seapatrick Igreja Paroquial, Banbridge, onde seu pai, o capitão John Scriven dos Royal Marines foi o dobro da Igreja Warden. Sua mãe era Medlicott Jane, irmã de um vigário de Wiltshire, a Medlicott Rev.Joseph. Joseph Scriven foi baptizado por Mr.Leslie, e a entrada foi rubricado pela McCreight Rev.Jame, então cura.
Joseph Scriven tomou seu BA degree no Trinity College, Dublin, onde seus dois irmãos foram alunos, que se tornou um dos MB em 1842. Joseph era um cadete do Colégio Militar, Addiscombe, Surrey, sendo sua intenção de entrar na East India Company, essa idéia de que ele abandonou em uma idade adiantada. Não se pode dizer que Joseph Scriven tinha uma vida muito feliz, depois de obter seu diploma em 1842, ele se apaixonou por uma garota Banbridge e em dois anos, ficaram noivos. Mas, infelizmente, aconteceu a tragédia um golpe duro na véspera do dia do casamento. Sua noiva, ao atravessar uma ponte sobre o rio Bann, foi atirada de seu cavalo e afogou-se em plena vista de sua amante que estava esperando por ela no outro banco. Na seqüência deste triste evento Joseph Scriven emigrou para o Canadá. Ele primeiro se estabeleceram em Rice Lake, em Ontário, e mais tarde em Port Hope e lá tornou-se um tutor privado de várias famílias do local.
Outro acontecimento triste foi adicionar às dores de Scriven é pensado para ser a inspiração à escrever o seu famoso hino. Joseph em 1854 casasou se com Miss Eliza Roche, mas triste de se relacionar, Miss Roche pego um resfriado devido à imersão em Rice Lake, ficou seriamente doente e depois de três anos, faleceu. O conhecido hino assim nascia então, trazidos à existência de grande tristeza e coração a pesquisa, é dito que ela foi escrita para confortar sua mãe, que estava gravemente enferma e muito aflita. O hino não foi descoberto até pouco antes da morte de Scriven, em 1886, embora tenha sido composta em 1857, foi intitulado "Orai sem cessar». Joseph Scriven era um cristão prático, conhecido como o homem que serrava madeira para viúvas pobres e pessoas doentes que não podiam pagar, um senhor de nome Sackville Mr.James cuidadava Scriven em sua casa quando ele se tornou pobre em matéria de saúde e foi quem descobriu a cópia do hino, enquanto busca uma gaveta o nome de seu paciente. Quando perguntado como ele chegou a escrever um belo hino Scriven, em seu leito de morte, respondeu simplesmente "O Senhor e eu fiz isso entre nós".
Há quatro memoriais de Scriven, na terra de sua adoção, o monumento em Bewdley tem o célebre hino inscrito em um dos lados da pedra, do outro lado estão as palavras “Quatro quilômetros ao norte no cemitério Pengelly, encontra-se o filantropo e autor de a grande obra-prima escrita em Port Hope 1857”. Serviços especiais foram realizadas em 1957 nas igrejas locais para marcar o centenário do hino e em 1962 um Joseph Scriven Memorial Comitê foi formado em Bewdley e um fundo começou para ajudar os estudantes que entram no ministério cristão. Na cidade de seu nascimento, há agora um memorial a este filho de Banbridge, um estudante do Trinity College Dublin, que, como um menino andava pelas ruas de Banbridge e adorado em Seapatrick Igreja Paroquial, este memorial está na forma de uma placa erigido na parede da casa em que nasceu.
Outro artigo, publicado em 24 outubro de 1969 é intitulado, "Burial Joseph Scriven do Lugar-Visita de Guildford" homem e diz: Muito tem sido escrito ao longo dos anos sobre Joseph Scriven, autor do conhecido hino assim "Que bondoso amigo é Cristo" e foi depois de ler sobre ele na crónica que Mr.Robert de Madden Black Hill, Guildford, durante uma viagem ao Canadá, decidiu visitar o escritor deste hino em sua última morada terrena, a Bailieboro, Cavan County, na margens de Rice Lake. Mr.Black nos descreveu a forma triangular, onde um cemitério pequeno obelisco marca o túmulo de altura. A inscrição (para além de versos do hino) lê-se; Este monumento foi erigido à memória de Joseph Scriven, BA, pelos amantes de seu hino, que é gravada doravante, e é o seu melhor memorial. Nascido em Seapatrick, Co.Down, Irlanda, Sept.10 de 1819, emigrou para o Canadá de 1844. Entrou em repouso Bewdley, Rice Lake, Agosto 10,1886, e enterrados aqui. Felizes os puros de coração porque verão a Deus. A placa, erigida pela arquitectura e Sítios Históricos Câmara de Ontario, esteve entre os itens de interesse fotografada por Mr.Black, leva este texto;
Nascido e educado na Irlanda, Scriven era um graduado da Trinity College, Dublin. Ele emigrou para o Canadá em 1847 e durante a década de 1850 tornou-se tutor da família do Capitão Robert L. Pengelly, RN, um oficial naval britânico reformado que se instalou nesta vizinhança. Um homem profundamente religioso, ele publicou um livro intitulado "Hinos e outros versos, em 1869. No entanto, o poema intitulado "Orai sem cessar, para que ele se tornou famoso, foi publicado pela primeira vez em um jornal local com música de C. Dr.Charles Converse, que ganhou reconhecimento internacional com o título, que um amigo que temos em Jesus Nós nos reunimos de Mr.Black que na época de sua visita Pengelly uma Miss, uma senhora idosa, entende-se um parente do comandante Pengelly (acima referido), foi a cobertura do custo de cuidar dos escritores hino grave. Esta informação nos leva a sugerir que, se fosse possível uma contribuição da admiradores em torno do antigo local de seu nascimento seria um gesto muito bom. Aliás, sua terra natal, Ballymoney Lodge, Banbridge é marcado por uma placa onde se lê: Joseph Scriven 1819, escritor de hinos e humanitária nasceu aqui.
O seguinte é um extracto da caneta do Rev.Dr.E.Gilmour Smith, intitulado Joseph Scriven, uma vida verdadeiramente altruísta, que apareceu em um jornal canadense.
Poucos hinos tão ampla e tão cantado muito amado como Joseph Scriven, O que um amigo que temos em Jesus, a 150 º . Aniversário do nascimento do Scriven ocorreu recentemente. Nascido em County Down, na Irlanda, perto da aldeia de Banbridge em 10 de setembro, 1819, ele passou a maior parte de sua vida adulta no Canadá, vivendo nas proximidades de Port Hope e Lake Rice. Ele foi bem educado, como um homem jovem, ele passou dois anos na Addiscombe Military College em Surrey e graduado em 1842 no Trinity College, Dublin, com um bacharelado de artes. Algum tempo antes de 1850, emigrou para o Canadá, onde ele ensinou escola, tutelados duas gerações de meninos Pengelly em sua fazenda de duas milhas a leste de Bailieboro, e se tornou um pregador associados à Brethern Plymouth.
Durante muitos anos, o túmulo de Joseph Scriven permaneceu sem marca, mas em Sept.10 1919, no centenário de sua Birt, uma peregrinação de Clérigos visitou a sepultura, juntou as mãos em torno dela, e cantou o hino que trouxe conforto e melhoria para milhares de corações onde o Inglês é língua falada. Sob a liderança do Rev. WDLee da Igreja Presbiteriana Millbrook, a comissão memorial Joseph Scriven foi formada para erigir um monumento à sua memória. No monumento de granito branco, que representa 13 metros de altura, com vista para as águas brilhando de Rice Lake, as palavras do hino são enscribed foi consagrado em 24 de maio th , 1920, quando 6.000 pessoas se reuniram, incluindo o primeiro-ministro de Ontário, ECDrury.
Em homenagem a Scriven, disse o primeiro-ministro: ele não construir uma ferrovia ou acumular uma fortuna. Mas ele fez mais do que isso, ele contribuiu com um pensamento que vai sobreviver ferrovias e fortunas. Ele vai continuar enriquecendo a vida dos homens, quando outras coisas de natureza material que se desintegrou e morreu. Nesta ocasião tributos foram pagos por muitas pessoas que tinha conhecido pessoalmente Scriven. "Viveu a vida de nosso Salvador. Sua vida foi um exemplo vivo do princípio, o Filho de Deus não veio para ser servi por ministrar.?

"Outro testemunho:" Ele viveu uma vida verdadeiramente altruísta, passando entre os e confortando os aflitos, aflitos compartilhar com seus pequenos a pobreza.? "Um homem relatou:" Lembro-me dos tempos em que uma das famílias perderam suas vacas. Eles eram dependentes de vaca para que grande parte da sua vida. Senhor Scriven expressou sua simpatia e vontade de ajudar, mas lamentou que ele não tinha dinheiro, então ofereceu sua atenção para a família a vender. " Através dos anos Scriven ficou conhecido como o homem com serrote e machado que foi para casas das viúvas e folk com idade para cortar a madeira.

"Por muitos anos ele viveu em Port Hope em uma pequena cabana isolada na floresta, que ainda está na esquina da Ruas Strachen e Thomas. Em seu zelo para a apresentação do evangelho que ele pregava nas esquinas em Port Hope e Bewdley e entre os agricultores "Como um membro do Brethern que renunciar mundanismo, Scriven não teria
tido a sua imagem, pois para ele Era uma forma de vaidade. No entanto, a Rev George Um dos Osborough Belfast localizado um sobrinho-neto de Joseph, o Dr. WH Scriven, que possuíam uma foto que ele acreditava ser uma imagem autêntica de Joseph.
"No primeiro hino que ele escreveu intitulou: orar sem cessar! Apenas os versos um e dois foram incluídos. O terceiro verso foi acrescentada na sequência de uma visita à Irlanda. Porque ele tinha voltado de um homem pobre com roupas surradas vez, teve a amarga experiência de ser desprezado e menosprezado. Isto levou à terceira estrofe que começa assim: ? Os teus amigos desprezar abandonar, ti ti, "expressar a dor em sua rejeição.
"No lado leste da estrada 28, a sul de Bewdley está um monumento ao lado de um bosque de ciprestes que foi erguida com fundos recolhidos por um amigo dedicado, o Rev-ES Kidd Byrne. "Mas ele não foi enterrado ali. Seu corpo repousa no cemitério da fazenda Pengelly duas milhas a leste de Bailieboro. Distinctive marcadores foram colocados pelos sítios históricos e arquitetônicos bordo Ontário em Bailieboro e no local do cemitério."
Existe agora um monumento em Downshire Place, colocado por Banbridge Conselho Distrital e, recentemente, um vitral, foi dedicado à Scriven, a dedicação a ser realizado pelo Bispo Scriven, que era então bispo da Europa e é o grande-sobrinho-bisneto de Joseph Scriven. José teve dois irmãos - George nascidos 1821 e 1823 e John nasceu uma irmã Mary Anne Catherine nasceu 1825.
Graças ao Chronicle Banbridge permissão para utilizar as informações acima.

O tradutor deste hino para o Hinário Evangélico é Robert Hawkey Moreton.
Robert Hawkey Moreton, nasceu em Buenos Aires, Argentina, no dia 10 de Janeiro de 1844; o seu pai, também Robert, tinha emigrado de casa paterna, outro Robert, da Cornualha, antes de 1830. A família regressou a Inglaterra em 1861, possivelmente para evitar que Robert Hawkey tivesse que prestar serviço militar no exército argentino, e fixaram residência em Helston, Cornualha.
O jovem Robert começou a estudar medicina no Hospital de S. Bartolomeu («Bart’s»), Londres, mas, ouvindo a chamada para o ministério da Igreja Metodista Wesleyana, entrou no Seminário de Richmond, Londres, em 1864, e após três anos lá, foi nomeado pastor à prova para o circuito de Helston , Cornualha, passando depois para St. Colomb, Ilhas Scilly (Sorlingas), onde se encontrou com a sua futura esposa, Agnes Banfield. Terminado o seu período de prova, foi ordenado ministro em plena conexão na Igreja Metodista Wesleyana, em 3 de Agosto de 1870, na Conferência Anual, na cidade de Burslem, Inglaterra. No mesmo ano ofereceu-se para o serviço missionário, mas a sua oferta em princípio não foi aceite. Mais tarde no mesmo ano, em Novembro, a Sociedade Missionária Metodista Wesleyana convidou-o a trabalhar em Portugal, onde ocasião de oportunidade se estava a abrir – em consequência dos seus conhecimentos de espanhol (!), língua que já tinha usado ao distribuir tratados entre os marinheiros espanhóis nas docas do Tamisa, em Londres.
Chegou ao Porto no dia 16 de Fevereiro de 1871 com a sua noiva, com quem casara três semanas antes. Exerceu o seu ministério aqui até à sua morte em 1917, quarenta e três anos no ministério activo e três em aposentação. Logo nos primeiros dias ele soube o que era sofrer perseguição popular, chegando muitas vezes a casa, depois de tentar pregar, coberto de lama; mas ele sobreviveu a esta fase, e tornou-se muito respeitado e estimado; através dos anos os seus dons como pregador, ensinador, administrador e organizador foram bem exercidos. O seu Metodismo foi do tipo clássico; ele edificou tudo na base da reunião de classe, e só admitia pessoas como membros depois do devido, e às vezes demorado, período de prova por parte de cada candidato. Cartões de membros meticulosamente escritos pela sua própria mão – e a sua letra continuou meticulosa até ao fim – datam do primeiro ano do seu ministério cá em Portugal; a sua pregação sobre a procura da perfeição cristã atraiu muitos, incluindo alguns piedosos católicos romanos que estavam a procurar o mesmo caminho. Traduziu uma quantidade de hinos para o português e colaborou na compilação de uma sucessão de hinários; introduziu o sistema de solfejo tónico em Portugal; traduziu algumas obras populares, algumas meio-polémicas, tais como «O Convento Desmascarado» da ex-freira Edith O’Gormon, e «O Padre, a Mulher e o Confessionário» do ex-padre Chiniquy; escreveu muitos artigos e tratados de controvérsia. Foi, também, durante quatro anos, director de «A Reforma». Sofreu progressivamente durante todos os longos anos que viveu em Portugal, de asma brônquica, que em certo sentido foi parte do sacrifício que ele fez ao dedicar-se à obra do Senhor no Norte de Portugal.
Seu filho, também Robert, foi durante alguns anos secretário da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, em Lisboa, e um seu neto, que também foi ministro metodista, foi morto na segunda guerra mundial.
Robert Hawkey Moreton jaz, com sua esposa e um dos seus filhos, no Cemitério Britânico do Porto. R. I. P.

ALBERT ASPEY
Texto extraído da revista “PORTUGAL Evangélico” – órgão oficial das Igrejas Metodistas e Presbiterianas de Portugal – 1º semestre de 1971






BONDOSO AMIGO HE 386

Que bondoso amigo é Cristo!
Revelou no Seu amor,
E nos diz que lhe entreguemos
Os cuidados sem temor.
Falta ao coração dorido
Gozo, Paz, Consolação?
É porque não insistimos
Com Jesus em oração.

Andas triste e carregado
De pesares e de dor?
A Jesus refugio eterno,
Vai, com fé, teu mal expor
Teus amigos te desprezam?
Conta lhe isso em oração;
E por Seu amor supremo,
Encherás o coração.

Cristo é verdadeiro amigo,
Disso prova nos mostrou:
Para nos salvar da morte,
Sobre a cruz ele expirou.
Derramou precioso sangue.
Para as manchas nos lavar;
Paz em vida e no futuro
Já podemos alcançar! Amém!

video

Um comentário:

Pr. Welfany Nolasco Rodrigues disse...

GRAÇA E PAZ!
Gostaria de pedir sua autorização para postar alguns destes seus textos em minha página: http://www.hinarioevangelico.com/
Prometo citar a fonte.

Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
email: welfanynolasco@gmail.com