quinta-feira, 29 de abril de 2010

BONDOSO AMIGO





“Orai sem cessar” (II Ts 5.17)




Joseph Scriven, viveu a vida cristã de serviço para os seus companheiros, foi carregado em Ballymoney Lodge, Banbridge e baptizado em 10 º . de setembro de 1819. Sua entrada é registrado no Baptismal Seapatrick Igreja Paroquial, Banbridge, onde seu pai, o capitão John Scriven dos Royal Marines foi o dobro da Igreja Warden. Sua mãe era Medlicott Jane, irmã de um vigário de Wiltshire, a Medlicott Rev.Joseph. Joseph Scriven foi baptizado por Mr.Leslie, e a entrada foi rubricado pela McCreight Rev.Jame, então cura.
Joseph Scriven tomou seu BA degree no Trinity College, Dublin, onde seus dois irmãos foram alunos, que se tornou um dos MB em 1842. Joseph era um cadete do Colégio Militar, Addiscombe, Surrey, sendo sua intenção de entrar na East India Company, essa idéia de que ele abandonou em uma idade adiantada. Não se pode dizer que Joseph Scriven tinha uma vida muito feliz, depois de obter seu diploma em 1842, ele se apaixonou por uma garota Banbridge e em dois anos, ficaram noivos. Mas, infelizmente, aconteceu a tragédia um golpe duro na véspera do dia do casamento. Sua noiva, ao atravessar uma ponte sobre o rio Bann, foi atirada de seu cavalo e afogou-se em plena vista de sua amante que estava esperando por ela no outro banco. Na seqüência deste triste evento Joseph Scriven emigrou para o Canadá. Ele primeiro se estabeleceram em Rice Lake, em Ontário, e mais tarde em Port Hope e lá tornou-se um tutor privado de várias famílias do local.
Outro acontecimento triste foi adicionar às dores de Scriven é pensado para ser a inspiração à escrever o seu famoso hino. Joseph em 1854 casasou se com Miss Eliza Roche, mas triste de se relacionar, Miss Roche pego um resfriado devido à imersão em Rice Lake, ficou seriamente doente e depois de três anos, faleceu. O conhecido hino assim nascia então, trazidos à existência de grande tristeza e coração a pesquisa, é dito que ela foi escrita para confortar sua mãe, que estava gravemente enferma e muito aflita. O hino não foi descoberto até pouco antes da morte de Scriven, em 1886, embora tenha sido composta em 1857, foi intitulado "Orai sem cessar». Joseph Scriven era um cristão prático, conhecido como o homem que serrava madeira para viúvas pobres e pessoas doentes que não podiam pagar, um senhor de nome Sackville Mr.James cuidadava Scriven em sua casa quando ele se tornou pobre em matéria de saúde e foi quem descobriu a cópia do hino, enquanto busca uma gaveta o nome de seu paciente. Quando perguntado como ele chegou a escrever um belo hino Scriven, em seu leito de morte, respondeu simplesmente "O Senhor e eu fiz isso entre nós".
Há quatro memoriais de Scriven, na terra de sua adoção, o monumento em Bewdley tem o célebre hino inscrito em um dos lados da pedra, do outro lado estão as palavras “Quatro quilômetros ao norte no cemitério Pengelly, encontra-se o filantropo e autor de a grande obra-prima escrita em Port Hope 1857”. Serviços especiais foram realizadas em 1957 nas igrejas locais para marcar o centenário do hino e em 1962 um Joseph Scriven Memorial Comitê foi formado em Bewdley e um fundo começou para ajudar os estudantes que entram no ministério cristão. Na cidade de seu nascimento, há agora um memorial a este filho de Banbridge, um estudante do Trinity College Dublin, que, como um menino andava pelas ruas de Banbridge e adorado em Seapatrick Igreja Paroquial, este memorial está na forma de uma placa erigido na parede da casa em que nasceu.
Outro artigo, publicado em 24 outubro de 1969 é intitulado, "Burial Joseph Scriven do Lugar-Visita de Guildford" homem e diz: Muito tem sido escrito ao longo dos anos sobre Joseph Scriven, autor do conhecido hino assim "Que bondoso amigo é Cristo" e foi depois de ler sobre ele na crónica que Mr.Robert de Madden Black Hill, Guildford, durante uma viagem ao Canadá, decidiu visitar o escritor deste hino em sua última morada terrena, a Bailieboro, Cavan County, na margens de Rice Lake. Mr.Black nos descreveu a forma triangular, onde um cemitério pequeno obelisco marca o túmulo de altura. A inscrição (para além de versos do hino) lê-se; Este monumento foi erigido à memória de Joseph Scriven, BA, pelos amantes de seu hino, que é gravada doravante, e é o seu melhor memorial. Nascido em Seapatrick, Co.Down, Irlanda, Sept.10 de 1819, emigrou para o Canadá de 1844. Entrou em repouso Bewdley, Rice Lake, Agosto 10,1886, e enterrados aqui. Felizes os puros de coração porque verão a Deus. A placa, erigida pela arquitectura e Sítios Históricos Câmara de Ontario, esteve entre os itens de interesse fotografada por Mr.Black, leva este texto;
Nascido e educado na Irlanda, Scriven era um graduado da Trinity College, Dublin. Ele emigrou para o Canadá em 1847 e durante a década de 1850 tornou-se tutor da família do Capitão Robert L. Pengelly, RN, um oficial naval britânico reformado que se instalou nesta vizinhança. Um homem profundamente religioso, ele publicou um livro intitulado "Hinos e outros versos, em 1869. No entanto, o poema intitulado "Orai sem cessar, para que ele se tornou famoso, foi publicado pela primeira vez em um jornal local com música de C. Dr.Charles Converse, que ganhou reconhecimento internacional com o título, que um amigo que temos em Jesus Nós nos reunimos de Mr.Black que na época de sua visita Pengelly uma Miss, uma senhora idosa, entende-se um parente do comandante Pengelly (acima referido), foi a cobertura do custo de cuidar dos escritores hino grave. Esta informação nos leva a sugerir que, se fosse possível uma contribuição da admiradores em torno do antigo local de seu nascimento seria um gesto muito bom. Aliás, sua terra natal, Ballymoney Lodge, Banbridge é marcado por uma placa onde se lê: Joseph Scriven 1819, escritor de hinos e humanitária nasceu aqui.
O seguinte é um extracto da caneta do Rev.Dr.E.Gilmour Smith, intitulado Joseph Scriven, uma vida verdadeiramente altruísta, que apareceu em um jornal canadense.
Poucos hinos tão ampla e tão cantado muito amado como Joseph Scriven, O que um amigo que temos em Jesus, a 150 º . Aniversário do nascimento do Scriven ocorreu recentemente. Nascido em County Down, na Irlanda, perto da aldeia de Banbridge em 10 de setembro, 1819, ele passou a maior parte de sua vida adulta no Canadá, vivendo nas proximidades de Port Hope e Lake Rice. Ele foi bem educado, como um homem jovem, ele passou dois anos na Addiscombe Military College em Surrey e graduado em 1842 no Trinity College, Dublin, com um bacharelado de artes. Algum tempo antes de 1850, emigrou para o Canadá, onde ele ensinou escola, tutelados duas gerações de meninos Pengelly em sua fazenda de duas milhas a leste de Bailieboro, e se tornou um pregador associados à Brethern Plymouth.
Durante muitos anos, o túmulo de Joseph Scriven permaneceu sem marca, mas em Sept.10 1919, no centenário de sua Birt, uma peregrinação de Clérigos visitou a sepultura, juntou as mãos em torno dela, e cantou o hino que trouxe conforto e melhoria para milhares de corações onde o Inglês é língua falada. Sob a liderança do Rev. WDLee da Igreja Presbiteriana Millbrook, a comissão memorial Joseph Scriven foi formada para erigir um monumento à sua memória. No monumento de granito branco, que representa 13 metros de altura, com vista para as águas brilhando de Rice Lake, as palavras do hino são enscribed foi consagrado em 24 de maio th , 1920, quando 6.000 pessoas se reuniram, incluindo o primeiro-ministro de Ontário, ECDrury.
Em homenagem a Scriven, disse o primeiro-ministro: ele não construir uma ferrovia ou acumular uma fortuna. Mas ele fez mais do que isso, ele contribuiu com um pensamento que vai sobreviver ferrovias e fortunas. Ele vai continuar enriquecendo a vida dos homens, quando outras coisas de natureza material que se desintegrou e morreu. Nesta ocasião tributos foram pagos por muitas pessoas que tinha conhecido pessoalmente Scriven. "Viveu a vida de nosso Salvador. Sua vida foi um exemplo vivo do princípio, o Filho de Deus não veio para ser servi por ministrar.?

"Outro testemunho:" Ele viveu uma vida verdadeiramente altruísta, passando entre os e confortando os aflitos, aflitos compartilhar com seus pequenos a pobreza.? "Um homem relatou:" Lembro-me dos tempos em que uma das famílias perderam suas vacas. Eles eram dependentes de vaca para que grande parte da sua vida. Senhor Scriven expressou sua simpatia e vontade de ajudar, mas lamentou que ele não tinha dinheiro, então ofereceu sua atenção para a família a vender. " Através dos anos Scriven ficou conhecido como o homem com serrote e machado que foi para casas das viúvas e folk com idade para cortar a madeira.

"Por muitos anos ele viveu em Port Hope em uma pequena cabana isolada na floresta, que ainda está na esquina da Ruas Strachen e Thomas. Em seu zelo para a apresentação do evangelho que ele pregava nas esquinas em Port Hope e Bewdley e entre os agricultores "Como um membro do Brethern que renunciar mundanismo, Scriven não teria
tido a sua imagem, pois para ele Era uma forma de vaidade. No entanto, a Rev George Um dos Osborough Belfast localizado um sobrinho-neto de Joseph, o Dr. WH Scriven, que possuíam uma foto que ele acreditava ser uma imagem autêntica de Joseph.
"No primeiro hino que ele escreveu intitulou: orar sem cessar! Apenas os versos um e dois foram incluídos. O terceiro verso foi acrescentada na sequência de uma visita à Irlanda. Porque ele tinha voltado de um homem pobre com roupas surradas vez, teve a amarga experiência de ser desprezado e menosprezado. Isto levou à terceira estrofe que começa assim: ? Os teus amigos desprezar abandonar, ti ti, "expressar a dor em sua rejeição.
"No lado leste da estrada 28, a sul de Bewdley está um monumento ao lado de um bosque de ciprestes que foi erguida com fundos recolhidos por um amigo dedicado, o Rev-ES Kidd Byrne. "Mas ele não foi enterrado ali. Seu corpo repousa no cemitério da fazenda Pengelly duas milhas a leste de Bailieboro. Distinctive marcadores foram colocados pelos sítios históricos e arquitetônicos bordo Ontário em Bailieboro e no local do cemitério."
Existe agora um monumento em Downshire Place, colocado por Banbridge Conselho Distrital e, recentemente, um vitral, foi dedicado à Scriven, a dedicação a ser realizado pelo Bispo Scriven, que era então bispo da Europa e é o grande-sobrinho-bisneto de Joseph Scriven. José teve dois irmãos - George nascidos 1821 e 1823 e John nasceu uma irmã Mary Anne Catherine nasceu 1825.
Graças ao Chronicle Banbridge permissão para utilizar as informações acima.

O tradutor deste hino para o Hinário Evangélico é Robert Hawkey Moreton.
Robert Hawkey Moreton, nasceu em Buenos Aires, Argentina, no dia 10 de Janeiro de 1844; o seu pai, também Robert, tinha emigrado de casa paterna, outro Robert, da Cornualha, antes de 1830. A família regressou a Inglaterra em 1861, possivelmente para evitar que Robert Hawkey tivesse que prestar serviço militar no exército argentino, e fixaram residência em Helston, Cornualha.
O jovem Robert começou a estudar medicina no Hospital de S. Bartolomeu («Bart’s»), Londres, mas, ouvindo a chamada para o ministério da Igreja Metodista Wesleyana, entrou no Seminário de Richmond, Londres, em 1864, e após três anos lá, foi nomeado pastor à prova para o circuito de Helston , Cornualha, passando depois para St. Colomb, Ilhas Scilly (Sorlingas), onde se encontrou com a sua futura esposa, Agnes Banfield. Terminado o seu período de prova, foi ordenado ministro em plena conexão na Igreja Metodista Wesleyana, em 3 de Agosto de 1870, na Conferência Anual, na cidade de Burslem, Inglaterra. No mesmo ano ofereceu-se para o serviço missionário, mas a sua oferta em princípio não foi aceite. Mais tarde no mesmo ano, em Novembro, a Sociedade Missionária Metodista Wesleyana convidou-o a trabalhar em Portugal, onde ocasião de oportunidade se estava a abrir – em consequência dos seus conhecimentos de espanhol (!), língua que já tinha usado ao distribuir tratados entre os marinheiros espanhóis nas docas do Tamisa, em Londres.
Chegou ao Porto no dia 16 de Fevereiro de 1871 com a sua noiva, com quem casara três semanas antes. Exerceu o seu ministério aqui até à sua morte em 1917, quarenta e três anos no ministério activo e três em aposentação. Logo nos primeiros dias ele soube o que era sofrer perseguição popular, chegando muitas vezes a casa, depois de tentar pregar, coberto de lama; mas ele sobreviveu a esta fase, e tornou-se muito respeitado e estimado; através dos anos os seus dons como pregador, ensinador, administrador e organizador foram bem exercidos. O seu Metodismo foi do tipo clássico; ele edificou tudo na base da reunião de classe, e só admitia pessoas como membros depois do devido, e às vezes demorado, período de prova por parte de cada candidato. Cartões de membros meticulosamente escritos pela sua própria mão – e a sua letra continuou meticulosa até ao fim – datam do primeiro ano do seu ministério cá em Portugal; a sua pregação sobre a procura da perfeição cristã atraiu muitos, incluindo alguns piedosos católicos romanos que estavam a procurar o mesmo caminho. Traduziu uma quantidade de hinos para o português e colaborou na compilação de uma sucessão de hinários; introduziu o sistema de solfejo tónico em Portugal; traduziu algumas obras populares, algumas meio-polémicas, tais como «O Convento Desmascarado» da ex-freira Edith O’Gormon, e «O Padre, a Mulher e o Confessionário» do ex-padre Chiniquy; escreveu muitos artigos e tratados de controvérsia. Foi, também, durante quatro anos, director de «A Reforma». Sofreu progressivamente durante todos os longos anos que viveu em Portugal, de asma brônquica, que em certo sentido foi parte do sacrifício que ele fez ao dedicar-se à obra do Senhor no Norte de Portugal.
Seu filho, também Robert, foi durante alguns anos secretário da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, em Lisboa, e um seu neto, que também foi ministro metodista, foi morto na segunda guerra mundial.
Robert Hawkey Moreton jaz, com sua esposa e um dos seus filhos, no Cemitério Britânico do Porto. R. I. P.

ALBERT ASPEY
Texto extraído da revista “PORTUGAL Evangélico” – órgão oficial das Igrejas Metodistas e Presbiterianas de Portugal – 1º semestre de 1971






BONDOSO AMIGO HE 386

Que bondoso amigo é Cristo!
Revelou no Seu amor,
E nos diz que lhe entreguemos
Os cuidados sem temor.
Falta ao coração dorido
Gozo, Paz, Consolação?
É porque não insistimos
Com Jesus em oração.

Andas triste e carregado
De pesares e de dor?
A Jesus refugio eterno,
Vai, com fé, teu mal expor
Teus amigos te desprezam?
Conta lhe isso em oração;
E por Seu amor supremo,
Encherás o coração.

Cristo é verdadeiro amigo,
Disso prova nos mostrou:
Para nos salvar da morte,
Sobre a cruz ele expirou.
Derramou precioso sangue.
Para as manchas nos lavar;
Paz em vida e no futuro
Já podemos alcançar! Amém!

video

quarta-feira, 21 de abril de 2010

OH! QUE BELOS HINOS





Este meu filho estava morto, e reviveu... Lc 15:24




Letra: William Orcutt Cushing (1823-1902)

Música: George Frederick Root (1820-1895)

William Orcutt Cushing nasceu em 1823, no Estado de Massachussets, EUA. Por mais de vinte anos pastoreou igrejas no Estado de Nova Iorque. Quando uma enfermindade lhe privou da voz em 1870, ele se aposentou. Começou, então, a escrever hinos. Mais de trezentos dos seus hinos foram musicados por músicos famosos do seu tempo: Sankey, Lowry, Root, e outros. Por longos anos os crentes brasileiros cantam "Oh! Que Belos Hinos" e outras afirmações de fé que este homem de Deus nos proporcionou. O Pastor Cushing faleceu em 1902, mas este homem que conseguiu transformar a provação em vitória continua a nos abençoar através dos seus hinos.

Ira David Sankey, conhecido hinista americano, diz em seu livro My Life and the Story of the Gospel Hymns (Minha Vida e a História dos Hinos Evangélicos):

"'Oh, que Belos Hinos!' (Soam os Sinos do Céu – no original em inglês), foi escrito", diz o autor, Sr. Cushing, " para ser usado com uma bela melodia que me fora enviado por George F. Root, intitulada, 'O Pequeno Mestiço'. Após receber a melodia, esta ficou em minha cabeça o dia todo, soando melodiosamente em sua doce cadência musical. Queria aprendê-la para usá-la na Escola Dominical e para outros propósitos cristãos também. Imaginei haver alegria no céu quando, os sinos no céu soando anunciam a volta de um pecador arrependido. Então as palavras 'Soam os Sinos do Céu' subitamente fluíram para a melodia que estava à espera. Foi uma bela e abençoada experiência e parece que os sinos ainda estão soando."

Uma meninazinha na Inglaterra, muito querida por seus pais, estava morrendo. Ela gostava muito de nossos cânticos, e sempre falava quanto os amava. Alguns dias antes de morrer disse à sua mãe:

-"Quando eu morrer, mamãe, peça as meninas da escola que entoem o cântico: 'Soam os Sinos do Céu'".

Meia hora antes de sua morte ela exclamou:

-"Oh, mamãe, ouça os sinos dos céus! Como tocam belissimamente!"

George Frederick Root (30 de agosto de 1820 - 6 de agosto 1895) foi um compositor americano, que encontrou a fama particular durante a Guerra Civil Americana.

Ele nasceu em Sheffield, Massachusetts , e foi nomeado após o alemão britânico nascido compositor George Frideric Handel . Root deixou sua comunidade agrícola para Boston em 18 de flauta na mão, que pretendem ingressar em uma orquestra. Ele trabalhou por um tempo como organista da igreja de Boston, e em 1844 como professor de música em menina em uma escola de Nova York . Em 1850, ele conseguiu fazer uma visita de estudo de música da Europa, permanecendo em Viena, Paris e Londres. Voltou a ensinar música em Boston, Massachusetts como um associado de Lowell Mason, e depois de Bangor, no Maine , onde foi diretor do Penobscot Associação Musical e presidiu sua convenção no Norumbega Hall em 1856. Root passaria a maior parte de sua carreira (quando não está escrevendo, ou ajudando a gerir a sua editora), viajando e ensinando no Instituto Musical que mudar de cidade para cidade. Ele aplicou uma versão do ensinamento de Pestalozzi (embora incompreendido por ambos Raiz e Mason) e foi instrumental no desenvolvimento de meados e final do século 19 educação musical americana. Ele era um seguidor dos ensinamentos de Emanuel Swedenborg.

Em seu retorno da Europa Raiz começou a compor e publicar sentimental canções populares, um número que alcançou a fama como-partituras. Hazel Dell , Rosalie a Flor Prairie , há música no ar e outros foram, de acordo com seu New York Times obituário, conhecido em todo do país no período de antes da guerra. Root optaram por empregar um pseudônimo George Wurzel (alemão para Root) para capitalizar sobre a popularidade dos compositores alemães durante a década de 1850. Além de suas canções populares, ele também compôs canções gospel na veia Ira Sankey, e recolhidos e volumes editada da música coral para cantar as escolas, escolas dominicais, coros de igreja e institutos musicais. Ele também compôs o sagrado eo secular cantatas diferentes, incluindo o popular A haymakers em 1854. Raiz de cantatas eram populares nos dois lados do Atlântico ao longo do século 19.

Com base no seu talento para a escrita, música, Raiz mudou-se para Chicago, Illinois em 1859 para trabalhar para seu irmão, editora de música de raiz e Cady . Ele tornou-se particularmente bem sucedida durante a Guerra Civil Americana , como o compositor das músicas marciais, comoTramp! Vagabundo! Vagabundo! (O Prisioneiro da Esperança), pouco antes da batalha, a Mãe , e o grito de batalha da liberdade . Ele escreveu a primeira canção sobre a guerra, a primeira arma é disparada , apenas dois dias após o início do conflito com o bombardeamento de Fort Sumter . Ele finalmente tinha menos 35 em tempo de guerra "hits", variando em tom belicoso do que o etéreo. Suas músicas foram tocadas e cantadas, tanto a casa da frente e da frente real. Vagabundo, Vagabundo, Vagabundo tornou-se popular na marcha das tropas, e Battle Cry da Liberdade tornou-se conhecido ainda na Inglaterra.

Root foi agraciado com o grau de Doutor Musical pela primeira Universidade de Chicago em 1872. Ele morreu em sua casa de verão em Bailey Island , Maine , na idade de 75 anos.

Root foi introduzido no Hall da fama dos compositores em 1970.

Vagabundo, Vagabundo, Vagabundo os meninos estão marchando desde a música para mais tarde (e em última análise, mais conhecida) Jesus ama as criancinhas, com letra de C. Herbert Woolston.

Fonte: Histórias de Hinos e Autores - CMA - Conservatório Musical Adventista

en.wikipedia.org/wiki/George_Frederick_Root


OH! QUE BELOS HINOS



Oh! Que belos hinos cantam lá no céu
É que o pródigo ao seu lar voltou
Vede o pai celeste prestes a abraçar
Esse filho que ele tanto amou!

Glória! Glória! Os anjos cantam lá
Glória! Glória! As harpas tocam já
É o santo coro dando glória a Deus
Por mais um remido entrar nos céu

Oh! Que belos hinos cantam lá nos céus
É qua já se reconciliou
A alma rebeladas que, rendida a Deus
Renascida, para o lar voltou!

Este arrependido, vinde festejar
Como os anjos fazem com fervor
Ide, pois, alegres, ide anunciai
Que se resgatou um pecador.



video

segunda-feira, 12 de abril de 2010

TU ÉS FIEL, SENHOR



Há diversas histórias que envolvem os autores e tradutores deste maravilhoso hino, mas destaco tres que envolvem os próprios autores.
Título Original: Great Is Thy Faithfulness
Letra: Thomas O. Chisholm,
Música: William M. Runyan

1. O poema deste hino foi escrito em1923 por Thomas Obediah Chisholm. Chrisholm nasceu em 29 de julho de 1866, na cidade de Franklin, Kentucky, EUA. Teve sua educação básica em uma pequena escola rural, e tornou-se professor desta escola aos 16 anos. Quando tinha 21 anos, tornou-se editor associado de um jornal semanal, o The Franklin Favorite.
Em 1893 tornou-se cristão, sob o ministério do Dr. Henry Clay Morrison (futuro presidente do Colégio Asbury, em Wilmore, Kentucky). Persuadido pelo Dr. Morrison, Chrisholm mudou-se para Louisville e tornou-se editor do Penecost Herald. Foi ordenado como ministro metodista em 1903 e serviu como pastor por pouco tempo em Scottsville, Kentucky.
Com a saúde debilitada, mudou-se com sua família para uma fazenda, perto de Winona Lake, Indiana. Tornou-se então um vendedor de seguros, mudando-se para Vineland, Nova Jersey, em 1916.
Em 1953 instalou-se no Lar Metodista para Idosos em Ocean Grove, Nova Jersey, onde morreu em 29 de fevereiro de 1960.
Chrisholm escreveu mais de 1.200 poemas, dos quais 800 foram publicados e muitos foram musicados.
De acordo com Chrisholm, não houve uma circunstância especial que o levou a escrever este hino - somente a sua experiência e a verdade bíblica. Este hino apareceu pela primeira vez na coletânea Songs of Salvation and Service (Cânticos de Salvação e Serviço), compilada por William M. Runyan, em 1923. Runyan escreveu a música especialmente para este poema. Em 1956 no Baptist Hymnal (Hinário Batista), foi publicado o seguinte comentário:
"Este poema em particular possuía tal apelo, que orei muito fervorosamente, para que a minha melodia pudesse conduzir a sua mensagem de uma maneira apropriada e digna, e a história subseqüente de seu uso indica que Deus respondeu a esta oração."
Fonte: http://www.cyberhymnal.org
2. O homem lia com cuidado as várias poesias que tinha diante de si. Elas lhe foram enviadas por um amigo, para que ele, sentindo a devida inspiração, escrevesse músicas para acompanhá-las.
Uma das poesias logo chamou a sua atenção. "Esta poesia tinha tal apelo, que orei com todo o fervor pára que a minha melodia pudesse transmitir a sua mensagem duma maneira digna."
A cena descrita transcorreu em 1923. O compositor era o Rev. William Marion Runyan, metodista norte-americano. Sem dúvida, hoje podemos dizer: a música do compositor faz exatamente o que ele tão ardentemente desejou. .
Runyan nasceu no dia 21 de Janeiro de 1870, em Marin, Estado de Nova York. Tinha grande inclinação para a música. Iniciou os seus estudos de música quando tinha 5 anos, e aos 12 já servia como organista da igreja. Quando tinha 14 anos seu pai, que era pastor metodista, mudou-se, com a família para o Estado de Kansas.
Apesar do seu grande talento musical, Deus tinha outros planos para Ruhyan. Aos 21 anos de idade, foi consagrado ao ministério pastoral. Serviu como pastor e evangelista entre os metodistas por 32 anos.
Por causa de um problema de surdez, Runyan deixou o pastorado em 1923, para assumir responsabilidades na Universidade John Brown, trabalhando também como redator da revista Cristian Workers’ Magazine (Revista do Obreiro Cristão) e como compilador de hinários.
De 1931 a 1944, ele serviu no Instituto Bíblico Moody, em Chicago. Foi nesse Instituto que o hino Tu És Fiel, Senhor, tornou-se muito conhecido, tornando-se um dos prediletos dos alunos daquela instituição. Quando o Dr. Houghton, presidente da mesma, faleceu, o hino foi entoado por todos os presentes ao culto fúnebre.
Em 1923, quando Thomas Chisholm enviou aquelas poesias a William Runyan, este, compositor de quase 300 hinos, já havia feito umas 20 ou 25 músicas para acompanhar poesias de Chisholm, seu colega e grande amigo.
Thomas Obediah Chisholm nasceu no Estado de Kentucky, no dia 29 de julho de 1966. Nasceu em circunstancias humildes e teve de instruir-se por si mesmo. Apesar de só completar o curso primário por esforço próprio, mais tarde se tornou professor. Com 21 anos já era redator auxiliar do jornal local.
Com 27 anos, Chisholm se converteu durante uma série de conferências evangelísticas. Mais tarde, foi consagrado ao ministério pela igreja Metodista, mas o seu estado de saúde bastante precário proibiu que desenvolvesse muitas atividades. Por esta razão, ele deixou o pastorado.
Chisholm escreveu em total de aproximadamente 1.200 poesias. Faleceu no Lar Metodista de Ocean Grove, Estado de Nova Jersey, em 29 de fevereiro de 1960.
O hino Tu És Fiel, Senhor foi publicado pela primeira vez em 1923, num hinário intitulado Songs of Salvation (Cânticos de Salvação) da autoria de Runyan.
O nome da melodia, dado pela família de Runyan, é FAITHFULNESS (Fidelidade).
Um Testemunho
O Pr. Arthur Francis White, pastor batista aposentado de 88 anos de vida estava acamado no hospital. Sofrera uma queda muito brutal, que lhe fizera muito mal. Duas das suas quatro filhas revezavam-se ao seu lado. Anne, sua querida esposa de 58 anos, estava doente em casa, sem condições de estar com ele. (Havia de segui-lo para espera da volta de Jesus 4 meses mais tarde) .
Numa hora quando sua filha Hellen White Brock estava ao seu lado, o Pr Arthur pediu: "Helen, cante comigo, Tu ès Fiel, Senhor". O Pr. Arthur possuía uma linda e possante voz de tenor. Uma de suas maiores alegrias era cantar o louvor de Cristo, a quem ele conhecera e amara desde menino, e servia fielmente há longos anos.
Helen nunca foi solista, mas cantava um contralto muito afinado no coro, e, quando necessário, regia o coro com eficiência, embora fosse mais uma instrumentista. Naquele momento, entretanto, começou o hino que ambos amavam e conheciam de cor. O pastor, com voz fraca, uniu-se a ela. Em alguns minutos, com a voz falhando, o Pr. Arthur pediu: "Continue, Helen, não posso, mais". E assim Helen continuou a cantar este grande hino, enquanto seu pai, olhos fechados, apreciava. De repente, Helen notou que seu pai, um sorriso ainda nos lábios, parecia ter dormido. Percebeu que ele não estava mais ali. Partira para estar guardado em Cristo Jesus, esperando o dia da volta Daquele a quem ele amara e servira toda sua vida.
Este hino continuou a ser o hino da família de Helen e Ursus Brock e de suas filhas, Margaret, Edith e Mary. Foi escolhido por Ursus para fazer parte do seu próprio culto memorial, muitos anos mais tarde. Tem sido o testemunho de Edith e Dewey Mulholland por mais de 40 anos de serviço missionário no Brasil, 23 no Piauí e o restante no Distrito Federal: verdadeiramente Deus é Fiel!
Bibliografia: Rosa, Joaquim de Paula, Apresentação, Hinário Para o Culto Cristão, JUERP, 1990, p, VII.
3. Dos hinos cristãos escritos nos anos mais recentes, um, em particular, sobressai como a luz de um farol, devido à sua mensagem, vinda do Pai celestial que continuamente sustenta e cuida dos Seus filhos.
Este hino,"Tu és fiel", foi escrito por um pregador que depois se tornou repórter de um jornal, Thomas O. Chisholm, de Vineland, Nova Jersey; e a música foi composta por William M. Runyan.
Muitos hinos têm sido escritos motivados por alguma experiência particular, porém, observando a vida do sr. Chisholm, chegamos à conclusão de que este hino foi o resultado de uma experiência do "dia a dia" da fidelidade de Deus para com Ele.
A história começou em 1941. Dois homens estavam revendo a lista de membros dos Gideões, quando viram, de repente, um nome que lhes era familiar. Descobriram que era o nome do sr. Thomas O. Chisholm e com a seguinte anotação ao lado: "Cancelado por falta de pagamento".
Eles se lembraram de que o sr. Chisholm era o autor de um hino que muito impressionou o missionário John Stam, que fora martirizado. Este mesmo hino fora o tema da vida de Stam durante os seus estudos no Instituto Bíblico Moody, quando se preparava para o serviço missionário e que, finalmente, levou-o a entregar a sua vida, juntamente com a da sua querida esposa, a fim de que outros pudessem ter vida ...
Os dois homens ficaram sensibilizados com o achado. Pensaram que eles mesmos é que deviam pagar a dívida ao sr. Chisholm.
Ao mesmo tempo que o Senhor estava tocando também no coração de um homem de negócios, na cidade de Nova Iorque, o qual não podia dormir porque passava-lhe pela mente o pensamento de que o sr. Chisholm, a quem ele não conhecia pessoalmente, mas apenas através dos hinos sacros que escreveu, estava em grande aperto financeiro. Mas, como poderia fazer chegar a ele qualquer importância em dinheiro? Não sabia onde ele morava!
'' Estou certo de que o procurador Jacob Stam sabe do seu endereço", pensou ele. "Pedirei a ele para levar este dinheiro ao st. Chisholm".
Assim fez, mas a história não termina aqui. Pela primeira vez em sua vida a família Chisholm estava enfrentando uma necessidade desesperada que, do ponto de vista humano, jamais poderia ser solucionada.
Naquela noite, quase como simples crianças, eles levaram aquele problema à presença do Pai celestial, não sabendo, contudo, que o Senhor já havia respondido. Na manhã seguinte o correio trouxe ao casal Chisholm uma única carta - era do sr. Jacob Stam - e dentro se encontrava a importância de que necessitavam, enviada pelo homem de negócios de Nova Iorque, que jamais conheceram!
Alguém poderia dizer que foi uma coincidência; mas devemos dizer como disse o sr. Chisholm: "Foi a fidelidade de Deus! " Pois, numa carta escrita em 1949, ele disse: "Estou próximo dos meus oitenta e três anos de idade, mas a força do alto tem sido sempre suprida, juntamente com o cumprimento da Sua promessa: "O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades ( Filipenses 4.19).
Não somente o suprimento das necessidades, mas as ocasiões desse suprimento, têm assinalado os marcos do Seu cuidado providencial, cada dia, cada momento".

TU ÉS FIEL, SENHOR

TU ÉS FIEL, SENHOR
MEU PAI CELESTE
PLENO PODER
AOS TEUS FILHOS DARÁS
NUNCA MUDASTES,
TU NUNCA FALTASTE,
TAL COMO ERAS,
PRA SEMPRE SERÁS

TU É FIEL, SENHOR
TU É FIEL, SENHOR
DIA APÓS DIA
COM BENÇÃOS SEM FIM
TUA MERCÊ
ME SUSTENTA E ME GUARDA
TU ÉS FIEL, SENHOR
FIEL A MIM

FLORES E FRUTOS
MONTANHAS E MARES
SOL, LUA, ESTRELA
NO CÉU A BRILHAR
TUDO CRIASTE
NA TERRA E NOS ARES
TODO UNIVERSO
VEM, POIS TE LOUVAR

PLENO PERDÃO TU DÁS
PAZ, SEGURANÇA
CADA MOMENTO
NOS GUIA SENHOR
E NO PORVIR
ÓH, QUE DOCE ESPERANÇA
DESFRUTAREI DO TEU IMENSO AMOR

sexta-feira, 9 de abril de 2010

GRAÇAS DOU

Há poucas palavras mais preciosas no dicionário do que “gratidão”. O coração grato é o coração alegre. Não há gratidão maior do que a do coração do crente ao seu amado Salvador. Este hino, que comunica a mais profunda gratidão a Deus, é um dos prediletos da rica hinologia sueca. Na versão original há 4 estrofes que usam a palavra tack (graças) 32 vezes! Há gratidão pela vida transformada, pela morte de Cristo em nosso lugar, pelas bênçãos e pelas tristezas, pelo passado e pelo futuro, pelo céu azul e pelas nuvens, pelas rosas e pelos seus espinhos, pela oração respondida e pela esperança que falhou. Todo crente deve decorar este hino e lembrar-se, com o autor, das palavras do apóstolo Paulo: “Em tudo daí graças; porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” ( I Ts 5.18)
O autor August Ludvig Storn escreveu este hino para uma publicação do Exercito de Salvação Sueco do qual era capelão, em 5 de dezembro de 1891. Seu texto apareceu no cancioneiro do Exército, com uma melodia galesa, mas tornou-se realmente popular, tanto na Suécia como nos Estados Unidos, somente quando o compositor John Alfred Hultman, publicou-o no seu hinário Solskenssânger ( cânticos do povo) ,com sua melodia TACK O GUD (Graças a Deus).
August Ludvig Storn nasceu em 23 de outubro de 1862, em Motala, na Suécia. Viveu a maior parte da sua vida em Estocolmo. Storn se converteu na sua juventude, numa reunião do Exército da Salvação. Unindo-se a suas fileiras, logo se tornou oficial importante da organização. Embora sofresse uma paralisia na coluna aos 37 anos, que lhe causava muita dor, continuou a cumprir seu ministério até o fim. Não foi com palavras fáceis que Storn expressou a sua gratidão a Deus neste hino. Depois do seu culto fúnebre apareceram as seguintes palavras no periódico do Exército da Salvação Sueco: “Sempre era um motivo de deleite escultar seus sermões bem pensados e articulados.(...) Os versos numerosos que fluíram da sua pena são os melhores que já apareceram nas publicações do Exército.”
Johannes Alfred Hultman,(1861-1942), que escreveu esta melodia em 1910, foi o segundo num triunvirato de hinistas sueco-americanos da Igreja da Aliança (Evangelical Mission Covenant Church). Nasceu numa fazenda pequena em Hjärtlanda, no condado de Smaland, no sul da Suécia. Alfred (como a família o chamava) mostrou muito interesse na música desde pequeno, indo ouvir o órgão numa igreja da cidade mais perto , quando podia. Quando a família imigrou para os Estados unidos em 1869, Alfred e seu irmão se empregaram como vaqueiros, cantando gospel songs, enquanto trabalhavam. Depois de muito esforço e sacrifício, Alfred conseguiu comprar um órgão e seu treino musical começou. Depois da sua conversão, Alfred foi convidado a lecionar na escola e reger o coro da igreja de Fridhem, Estado de Nebraska. Mais tarde, tornou-se o pastor daquela igreja. Voltou aos estudos na Athenium de Chicago, por dois anos, para depois tornar-se um pregador-cantor itinerante viajando pela região central co país. Ordenado em 1900, pastoreou outras igrejas, mas continuava a dar concertos tanto nos EUA como na Suécia, com seu filho, Paul, um pianista talentoso. Tornou-se conhecido como O Cantor dos Raios de Sol, tanto por sua voz como por sua personalidade.Voltou a morar na Suécia em 1909, por quatro anos, mas de volta aos EUA estabeleceu um conservatório. Ativo, até morrer aos 81 anos num concerto, Hultman foi muito mais que um cantor; foi escritor, compositor e publicador. Publicou várias coletâneas de hinos para as congregações suecas, e ajudou a compilar o primeiro hinário oficial da Igreja da Aliança.
Alice Ostergren Denyszczuk traduziu este maravilhoso hino. O maestro João Faustini escreve sobre sua história: "Durante algum tempo Alice cantava Graças Dou em programas evangélicos de televisão em São Paulo, com seu pequeno coral. Como são poucos os hinos de “Ações de Graças” e a melodia é fácil e intuitiva, era natural que logo se popularizasse. Quando estava preparando os originais de Seja Louvado em 1971, procurei-a para que ela me autorizasse a usar a sua tradução feita em 1961, para sua inclusão neste novo hinário. pelo Trabalhamos juntos por alguns minutos tentando melhorar uma acentuação e outra."


GRAÇAS DOU

Graças dou por esta vida,
Pelo bem que revelou.
Graças dou pelo futuro
E por tudo que passou.
Pelas bênçãos derramadas,
Pelo amor, pela aflição.
Pelas graças reveladas,
Graças dou pelo perdão.

Graças pelo azul celeste
E por nuvens que há também.
Pelas rosas do caminho
E os espinhos que elas tem.
Pela escuridão da noite
Pela estrela que brilhou.
Pela prece respondida
E a esperança que falhou.

Pela cruz e o sofrimento
E também ressurreição
Pelo amor que é sem medida
Pela paz no coração.
Pela lágrima vertida
E o consolo que
É sem par.
Pelo dom da eterna vida
Sempre graças hei de dar!





video