quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

A PORTA DA SALVAÇÃO

SARAH POULTON KALLEYUm Retrato de MulherNeste ano em que a Igreja Evangélica Presbiteriana de Portugal comemora 160 anos da formação da sua primeira igreja, na Ilha da Madeira e por isso se fala sobre o missionário escocês Robert Reid Kalley, que a organizou, achei por bem escrever algo sobre a sua Segunda esposa que tão importante foi na vida deste homem, tendo-me socorrido de um artigo biográfico publicado pela Biblioteca da Igreja Fluminense.O Dr. Kalley foi casado com uma senhora que se chamava Margareth que faleceu com tuberculose. Sarah foi a Segunda esposa e a história desse amor começou no Médio Oriente.Sarah Poulton Wilson nasceu em Nottingham a 25 de Maio de 1825. A sua mãe morre quatro dias depois do seu nascimento. O seu pai chamava-se William Wilson e a sua mãe Sarah Morley. Ela era irmã de Samuel Morley membro do parlamento na Inglaterra.Com um pai jovem a pequenina Sarah necessitava de uma mãe por isso o seu pai voltou a casar com Eliza Read e outros filhos nasceram. A esposa era doente e por isso tiveram que se mudar para outro lugar, Torquay. Apesar do pai Ter casado e Ter constituído outra família, Sarah viveu algum tempo em casa da sua avó paterna, não muito longe do resto da família para estudar e entrar no internato, em Camberwell, ao sul de Londres.Passou seis anos nesse colégio e era vista como uma menina alegre. Foi uma aluna brilhante e tornou-se uma boa pianista, pintora, poetisa e poliglota (domínio de diversos idiomas). O tempo que passou no colégio preparou-a para a vida como mais tarde vem a demonstrar. Tinha muita habilidade para ensinar e seu pai que era superintendente de Escola Dominical dá-lhe uma classe de rapazes, na capela que ele tinha construído em Torquay (naquele tempo não havia classes de rapazes e raparigas, estavam separados). Isso não lhe chega e por isso inicia um curso nocturno para os rapazes que trabalhavam de dia, dando a esses jovens conhecimentos gerais, nunca os perdendo de vista. Saliento três nomes desses alunos e o que eles foram na vida: William Cooksley foi Pastor da Igreja Congregacional, Jame Hamlym foi capitão numa companhia de navios nas Índias Ocidentais, Will Deatron Pitt foi o primeiro a ir para o brasil para ajudar o casal Kalley e mais tarde tornou-se Pastor Presbiteriano.A família de Sarah era descendente dos huguenotes – cristãos reformados que viviam em França nos séculos XVI e XVII. Estes cristãos eram perseguidos ferozmente e são ainda hoje lembrados pela terrível carnificina conhecida como “a noite de S. Bartolomeu”. Aproximadamente 200.000 huguenotes fugiram para os países mais perto da França: Suiça, Holanda e Alemanha e a família de Sarah fugiu para Inglaterra. Estabeleceram-se na cidade onde ela nasceu, assim com Torquay e Mansfield. Dedicaram-se à indústria têxtil.No ano de 1851, o seu irmão Cecil Wilson que estava tuberculoso foi enviado para o Egipto para se recuperar.Tal não aconteceu e o pai juntamente com o outro filho Henry e Sarah foram encontrar-se com ele em Beirute. Outra finalidade da viagem era a de encontrarem o Dr. Robert Reid Kalley que em 1851 perdera a sua esposa com a mesma doença. A esperança do pai de Sarah estava depositada neste médico, que depois de examinar o doente, dado o seu estado avançado de tuberculose, declarou a sua impotência para reverter a situação. Deste encontro resultou mais do que o diagnóstico do Dr. Kalley. O irmão de Sarah faleceu, mas o médico, que não lhe era totalmente desconhecido – pois ouvira falar dele e sobre o seu trabalho que tinha feito na ilha da Madeira, inclusive as perseguições por causa do Evangelho – impressionou muito esta jovem. Deste encontro nasceu o amor que os uniu até ao fim das suas vidas. O casamento de Sarah com Robert foi muito pensado por ela. Diz o seu irmão John que durante o noivado os dois passaram muito tempo juntos estudando. Casaram-se no dia 14 de Dezembro de 1852.O seu trabalho, ao lado de Kalley, foi fundamentalmente realizado no Brasil. Aí, são também perseguidos: Rio de Janeiro, Petrópolis, Niterói e Pernambuco. Mas Sarah não se deixa intimidar por isso. Para aquela época era-lhe impensável um determinado número de coisas, dada a sua condição de mulher, mas ela não desistiu dos seus ideais. Fundou a primeira Sociedade de Senhoras a 11 de Julho de 1871, com onze senhoras. No que diz respeito à música ela escreveu letras e melodias para muitos hinos quando foi editado pela Igreja Evangélica Fluminense, o primeiro Salmos e Hinos. Quantos hinos nós cantamos sem saber que foram escritos por Sarah Kalley? No Celebrai com Alegria temos muitos conhecidos e que são cantados com regularidade. Falam de vários temas, desde as crianças aos de consagração e outros. Se forem ao índice dos autores e virem as iniciais S.P.K. saberão que foram compostos por Sarah Poulton Kalley. O casal não teve filhos, mas adoptaram duas crianças, um rapaz, João Gomes da Rocha e uma menina, Silvana Azara.Sarah Poulton Kalley faleceu a 8 de Agosto de 1907 na sua casa em Edimburgo (Escócia) e foi sepultada no Dean Cemitery, junto de seu marido.


video

Um comentário:

António neto disse...

muito bom,relatos profundos de vida cristã e familiar